O mercado de e-commerce tem dominado o Brasil em tempos de pandemia

O mercado de e-commerce desde início da pandemia do coronavírus tem aumentado bastante, só no mês de abril cresceu 29% e conforme as pesquisas científicas vão confirmando o quanto ainda iremos precisar de distanciamento social pelos próximos anos, mais empresas adotam o mundo digital para efetuarem suas vendas.

Com toda mudança de comportamento do consumidor, o e-commerce vem se tornando o principal canal de venda de muitas empresas do varejo, é uma excelente estratégia pois é um modelo de negócio flexível e aumenta a sua presença no mercado sem investimentos altos.

O que é um e-commerce?

Todo e-commerce é uma loja no mundo digital, mas nem toda loja virtual é um e-commerce. Por exemplo, temos os marketplaces, um exemplo deles é a Dafiti, que vende várias marcas em sua plataforma, como um shopping virtual, ou seja, o site não é de uma loja só. O marketplace faz o intermédio do pagamento, mas a garantia de entrega fica por conta de quem vende o produto. Ao contrário do e-commerce, por exemplo: o e-commerce da Apple só vende seus produtos e de mais ninguém. 

Para algumas empresas, o modelo de marketplace funciona, já que não precisa ter despesas com construção de site, domínio e outros investimentos. Por outro lado, você não tem a liberdade para criar as estratégias que quiser para a divulgação do seu produto.  

Tipos de e-commerce

Existem inúmeros modelos de business que podemos trabalhar a venda no mercado digital com e-commerce:

B2B: por ser venda de empresa para empresas, geralmente vendem suprimentos e matérias primas. Necessitam de um sistema robusto, pois suas transações são maiores, os preços são mais variados, as condições de pagamento são mais flexíveis, há regra de compra e de frete. Ou seja, é um pouco mais complexo.

B2C: é quando a empresa vende para o consumidor final e é o tipo de e-commerce que é mais presente no mercado online. 

C2B: é o contrário, o consumidor que promove os seus serviços para que sejam contratados, sites de vagas são um exemplos, como: 99freelas, workana, vagas.com

C2C: quando os consumidores vendem seus pertences entre si nos fóruns e marketplaces, como o Enjoei, OLX  e o mercado livre.

Cliente iniciando suas compras no e-commerce
Cliente iniciando suas compras no e-commerce

Social commerce: são as redes sociais que tem seu próprio espaço de venda, como o Facebook e Instagram shopping. No caso do Instagram, pode até ser vinculada a outras plataformas, mas o aplicativo já está desenvolvendo o seu próprio checkout para que toda compra seja efetuada em seu aplicativo. Inclusive já é possível se fazer pagamento dentro do aplicativo nos Estados Unidos. 

Vantagens de ter um e-commerce 

Você pode criar sua loja virtual em casa, sem precisar se locomover e ter todas as questões que envolvem uma loja física. Além de você ter total liberdade de mudar o que quiser na sua loja, pode ter o design que mais atraia os seus clientes e que tenham mais a ver com o seu público-alvo e não precisar passar comissão para ninguém. 

E tudo isso com um investimento bem menor do que nos estabelecimentos físicos, pois não precisa pagar água, luz e aluguel. Além de ser um processo mais dinâmico, em que se pode fazer inúmeras vendas ao mesmo tempo, somente com anúncios ou alcance de público, sem qualquer barreira geográfica. 

Muitos clientes, hoje, preferem fazer compra online para poupar tempo, poderem fazer tudo poe mensagens, no celular, que vive com ele. Pode esclarecer suas dúvidas ali, receber o link de pagamento, boleto ou o número da conta para fazer a transferência e já recebe o comprovante. Ou seja, para quem tem o cotidiano corrido e tem urgência, já resolve tudo em tempo real.

Por isso o ideal é ter uma plataforma de atendimento ao cliente híbrida, em que o cliente pode entrar em contato com você das mais diversas formas e ser atendido com rapidez e consegue executar todo o processo em um único aplicativo. Alguns ainda tem a possibilidade de ter chatbots, como é o caso do Chat2Desk, que além de mensagens automáticas com inteligência artificial, ainda faz toda a jornada do cliente, ajudando o atendente quando for necessário fazer atendimento manual.

Desvantagens de ter um e-commerce 

Como tudo na vida tem os dois lados, ter estoque dos produtos para atender a demanda é um problema do e-commerce, sobretudo quando o produto ainda não é validado. E você precisará de local para poder armazenar o seu estoque. Você pode até colocar produto de outras lojas ou vender por encomenda, mas essa opção depende do seu objetivo. 

A concorrência, também, é bem maior, já que você não concorre somente com os comerciante locais, mas com lojas de todo mundo, e ainda tem o desafio da entrega. No entanto, inúmeros empreendedores preferem o e-commerce ao estabelecimento físico. 

Como criar um e-commerce?

O processo de criar um e-commerce é bem intuitivo e tranquilo, praticamente sem burocracia e não envolve tantos processos como o estabelecimento físico. 

Primeiro passo: compre um domínio, que deve remeter ao produto ou ter nome da sua marca, escolha nomes simples e curto para que seja fácil do cliente memorizar. Você pode comprar um domínio através do site Registro.br. Caso já tenha um site, só criar um diretório para a sua loja virtual.

Segundo passo: se você não sabe programação, o recomendado é usar ferramentas de e-commerce online, pois possuem uma configuração fácil, já com as funcionalidades que você precisa para ter a sua loja e você pode customizar tudo do seu jeito. Alguns exemplos de plataformas que oferecem esse serviço são: a Loja Integrada, Loja Virtual e Shopify, que tem tudo para criar sua loja online com facilidade. 

Estude todas as opções e analise qual é a melhor para você. Busque saber a opinião das pessoas com relação a cada plataforma em fóruns, grupos do Facebook e nas redes sociais dessas plataformas, isso pode te ajudar.

Terceiro passo: Configure as opções de pagamento da sua loja virtual, que podem ser feitos por meio de depósito em conta, cartão e crédito, Paypal, boleto entre outros. Quanto mais opções de pagamentos tiver, melhor para que seu cliente efetue a compra. 

Quarto passo: escolha o produto que irá a venda, essa é uma etapa muito importante. Escolha uma boa foto e faça uma descrição detalhada tirando todas as dúvidas do cliente com relação ao produto e a entrega. Deixe número ou instale um plugin que facilite o contato por aplicativo de mensagens como o WhatsApp ou o messenger.

 As escolhas mais comum são de produtos físicos, pois a maioria das vendas são livros, alimentos, roupas, eletrônicos, etc, bens de consumo no geral. Tem, também, a opção de produtos digitais, como e-books e cursos onlines, esses são escaláveis já que não dependem de estoque. Apesar de serem facilmente pirateados, logo, é preciso ter um bom sistema de segurança.  

 

Atualmente até os supermercados tem aderido ao e-commerce com delivery, para dar segurança aos clientes
Atualmente até os supermercados tem aderido ao e-commerce com delivery, para dar segurança aos clientes

Crie um e-commerce no marketplace do Facebook através da sua página

  • Na sua página, clica em Loja. Caso não encontre, vá em configurações, na parte superior à esquerda, clique em editar página. 
  • Ao ser direcionado, selecione em adicionar uma guia. Ao concordar com os termos e política de comércio, vá em continuar. Sua senha do Facebook pode ser solicitada para a segurança da sua conta. 
  • Clique em mensagem para comprar, dando a opção dos seus clientes entrar em contato quando houver interesse em algum produto. Escolha a moeda local, que será aplicada ao valor de todos os produtos. Muita atenção, pois essa parte não pode ser alterada. 
  • E, por último, clique em salvar.

Agora, é só inserir seus produtos. Além de ter sua loja ativada no Facebook, você pode tê-la também, no Instagram.

 

Atendimento ao cliente

Uma fonte de insegurança das compras online é a logística, é preciso que seja funcional para você e para o cliente. Descreva tudo sobre a entrega, se o produto vem do seu estoque ou não, se vier de estoque, informe a quantidade que possui e prazo para postagem. Avalie se vale a pena fazer entrega pelos correios ou, dependendo da demanda, por transportadora.

Tenha sempre canal de atendimento, a maioria do e-commerce utilizam o messenger e o Whatsapp, pois são os aplicativos mais utilizados e possuem integração com a maioria das plataformas. O ideal é usar um software de chatbot, como os oferecidos pelo Chat2Desk, para que dê conta da demanda, tenha um atendimento rápido, 24 horas por dia, eficiente e com mensagens automáticas personalizadas. Dessa forma, além de vários colaboradores poderem acessar ao aplicativo de mensagem e conversar com vários clientes ao mesmo tempo, utilizam somente um número, passando mais segurança para o cliente. Além de construir toda a jornada do consumidor, auxiliando o colaborador quando o mesmo precisar fazer o atendimento manualmente.

Related Post

    Leave a Comment

    Artigos recentes

    Adaptação ao mercado atual com a retomada da economia
    Conteúdo sobre estratégia de vendas: up sell, cross sell e down sell
    quais ações de branding é preciso tomar para resultar em brand equity
    Corretor de imóveis planejando com os dados colhidos do CRM para imobiliária
    capital da inovação e a importância da visão